Rio de Janeiro
O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro). A ideia é pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas resoluções, garantindo mais visibilidade à causa. Todos podem ser divulgadores desta importante causa. Faça parte desta causa! Mas atenção: a campanha é em setembro, mas falar sobre prevenção do suicídio em todos os meses do ano é fundamental!
A+ A-

Notícias

COFFITO participa de discussão na Câmara sobre EaD em Saúde e ganha apoio de parlamentares também contrários à prática

Federal integrou a mesa e reforçou o posicionamento contrário ao EaD na Saúde, que tem prejudicado o atendimento à população.

 


No dia 27 de agosto, em Brasília, foi realizada audiência pública na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados para discussão de projetos de lei relacionados à prática da modalidade de ensino à distância na área da Saúde. Na ocasião, com representantes de diversas entidades, o COFFITO integrou a mesa e, mais uma vez, reforçou o posicionamento contrário ao EaD na Saúde, que tem como principal prejudicado o atendimento à população.

 

Para o representante do COFFITO, Dr. Cássio Fernando Oliveira da Silva, é impossível realizar a formação em Saúde no formato EaD, pois retira do futuro profissional sua essencialidade: “O convívio entre o paciente e o profissional é fundamental, não tem como ser de outra forma. Os profissionais de Saúde têm estágios supervisionados desde o início da formação, e é esse convívio com outros profissionais, e com a comunidade, que aperfeiçoa o conhecimento e dá a base a ser utilizada em todo o seu exercício”, completou.

 

Os favoráveis à modalidade EaD argumentaram sob os avanços das tecnologias e inclusão, devido à facilidade no acesso. O representante do Ministério da Educação, Marcos Heleno Guerson de Oliveira Júnior, por sua vez, citou duas metas do Plano Nacional de Educação (PNE): aumentar a escolaridade da população excluída e elevar a taxa bruta de matrículas na educação superior, para justificar os investimentos em EaD.

 

O argumento, no entanto, não encontrou amparo junto aos relatores que, após as apresentações, destacaram preocupação com a adoção do método na área da Saúde. O Deputado Zacharias Calil aproveitou o momento para apresentar um exemplo clínico e prático de sua experiência, reforçando a importância da relação pessoal no atendimento. “Não estamos aqui para liberar cursos à distância para fazer experimentos. Eu, como relator, sou contra! E vou discutir isso até o fim, até que alguém consiga me convencer que na área da Saúde funciona”.

 

O Deputado Luiz Ovando, em sua fala, também contestou a abertura de cursos e citou, como grande problema, a ambição humana.

 

Por fim, o Deputado Santini, autor do requerimento da audiência, frisou a importância de se discutir o assunto com a participação do Ministério da Educação e do Conselho Nacional de Educação. “Na verdade, precisamos fazer um grande debate com o MEC e com o Conselho Nacional de Educação (CNE). Que precisam enfrentar com a responsabilidade que o tema requer. Se por um lado estamos oportunizando acesso, também é verdade que a legislação é dúbia em relação à carga horária. Talvez cheguemos a um consenso, por exemplo, 20% EaD e o resto prático. Todos os temas devem ser debatidos, sob pena de produzir um calote nos que estão de boa-fé, buscando a sua formação. E não há como negar que a tecnologia está presente. Se pudermos somar isso à formação acadêmica, que bom! Mas para isso é necessário que o MEC e o CNE façam o seu papel. É fundamental que todos possam discutir: MEC, CNE, conselhos, entre outros. Um debate desapaixonado, mas realista e que, a partir disso, possamos tirar uma vitória para o Brasil”, encerrou.

 

Na oportunidade também estiveram presentes os membros da Comissão de Assuntos Parlamentares (CAP) do COFFITO, Dr. Flávio Feitosa, Dra. Juçara Castro; e a assessora parlamentar, Carla Bencke.

 

Clique aqui e assista a audiência.

 

Fonte: Coffito
 
 
 
  • Imprimir este conteúdo
  •  
  • Salvar este conteúdo
  •  
  •  
  •  
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  • Compartilhar no Whatsapp
  •  
 
 

Deixe aqui seu comentário

Ícone do comentário
 
Sede
Rio de Janeiro
Rua Félix da Cunha, 41
Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20260-300
Telefone: (21) 2169-2169
E-mail: faleconosco@crefito2.org.br
Site: www.crefito2.gov.br


Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.
Subsede
Sul Fluminense
(Volta Redonda - RJ)
Rua 18-B, 43, Sala 405
Edifício Centro Empresarial - Vila Santa Cecília
Volta Redonda - RJ
CEP: 27260-100
Telefone: (24) 3343-3930
E-mail: subsedevoltaredonda@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Subsede
Norte Fluminense
(Campos dos Goytacazes - RJ)
Rua Alvarenga Filho, 114, Sala 607
Condomínio CDT - Pelinca
Campos dos Goytacazes - RJ
CEP: 28035-125
Telefone: (22) 3025-2580
E-mail: subsedecampos@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
 
Subsede
Região Serrana
(Teresópolis - RJ)
Av. Feliciano Sodré, 300, Sala 518,
Várzea, Teresópolis - RJ
CEP: 25963-081
E-mail: subsedeteresopolis@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Subsede
Região dos Lagos
(Cabo Frio - RJ)
Av. Julia Kubistchek, 16, Sala 317, Condomínio Edifício Premier Center,
Centro, Cabo Frio – RJ – CEP: 28.905-000
E-mail: subsedecabofrio@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Subsede
Baixada Fluminense
(Nova Iguaçu – RJ)
Av. Gov. Roberto Silveira, 470, Sala 227,
Centro, Nova Iguaçu – RJ
CEP: 26285-060
E-mail: subsedenovaiguacu@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.