Rio de Janeiro
A+ A-

Comunicados

Publicado em: 29/01/2020

Informe do Crefito-2 sobre o novo coronavírus: alerta para profissionais da Saúde e população.

 


Os recentes casos do novo coronavírus, conhecido como 2019-nCov, está causando preocupação mundial. As mais de 100 mortes na China e alertas de possíveis casos em outros países, fez com que várias mensagens equivocadas começassem a ser disseminadas na web. Pensando nisso o Crefito-2 elaborou um informativo com as principais dúvidas sobre o tema.


- O que são os coronavírus (CoV)?

Os Coronavírus compõem uma grande família de vírus que recebeu esse nome devido às espículas na sua superfície lembrando uma coroa. Uma nova variante surge a partir do aparecimento do 2019-nCoV.



- O que pode ocasionar os coronavírus (CoV) ?

Podem causar desde um resfriado comum até síndromes respiratórias graves, que evoluem num importante quadro de insuficiência respiratória aguda (IRpA), como a síndrome respiratória aguda grave (SARS) ou a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), em razão da infecção pelos SARS-CoV e MERS-CoV, respectivamente.



- Qual a origem do surto atual?

Suspeita-se que a fonte primária do vírus tenha sido em um mercado de frutos do mar e animais vivos em Wuhan (China).  Casos de pneumonias, de causa desconhecida, foram registrados no Japão, Coréia do Sul, Tailândia, Taiwan, Cingapura, Vietnã, Arábia Saudita e Estados Unidos, em pessoas que estiveram em Wuhan entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020.



- Como se dá a transmissão de coronavírus (2019-nCoV)?

Os coronavírus podem ser transmitidos de animais para humanos e de humanos para humanos. Investigações descobriram que o SARS-CoV foi transmitido de gatos selvagens (civetas) para humanos (2002) e o MERS-CoV de dromedários para humanos (2012).  Alguns coronavírus são capazes de infectar humanos e podem ser transmitidos de pessoa a pessoa pelas secreções aéreas ou por contato pessoal com secreções contaminadas.



- Quais sintomas uma pessoa infectada por coronavírus pode apresentar?

O tempo de exposição ao vírus e o início dos sintomas pode ser de até duas semanas, podendo em alguns casos ficarem assintomáticos, outros casos apresentarem sinais de infecções de vias aéreas superiores semelhante ao resfriado e até casos mais graves com pneumonia e insuficiência respiratória aguda (IRpA), com grande dificuldade para respiração e elevado risco de parada respiratória, situação que requer internação com máxima urgência.



-  Quando considerar um caso suspeito de 2019-nCoV ?

A presença de febre acompanhada de sintomas respiratórios em indivíduos que viajaram nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas para área de transmissão local (cidade de Wuhan – China) ou ter tido contato próximo com um caso suspeito ou confirmado. Atenção para os casos em que a febre pode não estar presente, como nos idosos, imunocomprometidos ou que tenham utilizado antitérmicos.



- Como é feita a confirmação do diagnóstico do novo coronavírus?

Exames laboratoriais identificam material genético do vírus em secreções respiratórias.



-  Existe um tratamento para o novo coronavírus?

Ainda não há um medicamento específico ou vacina. Recomenda-se repouso, ingestão de líquidos, medidas de alívio dos sintomas. Nos casos de maior gravidade com pneumonia e insuficiência respiratória aguda (IRpA), uso de oxigenoterapia e de suporte ventilatório não invasivo e invasivo, através da ventilação mecânica artificial, poderão ser necessários.



- Recomendações, tratamento e cuidados respiratórios a serem adotados.

O oxigênio nasal de alto fluxo (HFNO) ou a ventilação não invasiva (VNI) deve ser usado ​​apenas em pacientes selecionados, com insuficiência respiratória hipoxêmica. Durante a sua utilização, a avaliação do sucesso  ou  insucesso desse procedimento deverá ser realizado na primeira hora de sua aplicação, evitando retardar a intubação e o uso da ventilação mecânica invasiva (VMI), para que não haja piora clínica.


E atenção: nos casos de inadequado uso da máscara  de VNI, ocasionando má adaptação à face do paciente, a possibilidade de vazamento e contaminação do ambiente e dos profissionais de saúde se elevam.


- Para maior cuidado e precaução dos profissionais de saúde, a fim de evitar contaminação e transmissão do 2019-nCoV, atenção para:

  • É obrigatório uso de avental descartável, luvas e máscara N95 pelos profissionais de saúde;
  • Colocar a máscara antes de entrar no quarto/box, retirá-la somente após a saída e fechamento da porta/box;
  • Durante o transporte, o paciente deve utilizar a máscara cirúrgica e os profissionais deverão utilizar a máscara N95 durante o transporte;
  • Devido à alta transmissibilidade, é recomendada internação em quartos de pressão negativa aos pacientes com suspeita ou confirmação de síndrome respiratória por coronavírus (2019-nCoV).



- Como reduzir o risco de infecção pelo novo coronavírus? 

- Evitar contato próximo com pessoas com infecções respiratórias agudas;
- Lavar adequadamente as mãos, após tossir, espirrar, tocar em pacientes ou chegar da rua; 
- Usar lenço descartável para higiene nasal;
- Cobrir nariz e boca ao espirrar ou tossir;
- Evitar tocar nas mucosas dos olhos;
- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
- Manter os ambientes bem ventilados;
- Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes.


- Há risco de epidemia global?

Sim, mas não há motivo para pânico neste momento. O Comitê de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que é cedo para declarar a situação como emergência em saúde pública de interesse internacional neste momento, devido ao número limitado e localizado de casos e pelas medidas que já estão sendo tomadas para que o surto não se espalhe.



FONTE: Ministério da Saúde do Brasil ; Organização Mundial da Saúde (OMS); Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC); e Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

 

Matérias Relacionadas

 
 
  • Imprimir este conteúdo
  •  
  • Salvar este conteúdo
  •  
  •  
  •  
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  • Compartilhar no Whatsapp
  •  
 
 

Deixe aqui seu comentário

Ícone do comentário
 
Sede
Rio de Janeiro
Rua Félix da Cunha, 41
Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20260-300
Telefone: (21) 2169-2169
E-mail: faleconosco@crefito2.org.br
Site: www.crefito2.gov.br


Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.
Subsede
Norte Fluminense
(Campos dos Goytacazes - RJ)
Rua Alvarenga Filho, 114, Sala 607
Condomínio CDT - Pelinca
Campos dos Goytacazes - RJ
CEP: 28035-125
Telefone: (22) 3025-2580
E-mail: subsedecampos@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Subsede
Região Serrana
(Teresópolis - RJ)
Av. Feliciano Sodré, 300, Sala 518,
Várzea, Teresópolis - RJ
CEP: 25963-081
E-mail: subsedeteresopolis@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
 
Subsede
Região dos Lagos
(Cabo Frio - RJ)
Av. Julia Kubistchek, 16, Sala 317, Condomínio Edifício Premier Center,
Centro, Cabo Frio – RJ – CEP: 28.905-000
E-mail: subsedecabofrio@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Subsede
Baixada Fluminense
(Nova Iguaçu – RJ)
Av. Gov. Roberto Silveira, 470, Sala 227,
Centro, Nova Iguaçu – RJ
CEP: 26210-210
E-mail: subsedenovaiguacu@crefito2.org.br

Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.